ESTÓRIAS...

ESTÓRIAS...

domingo, 3 de fevereiro de 2013

ESTRANHAMENTO


Na casa velha ficavam muitas coisas que já não faziam parte do uso diário de Clementina.  Aquela casa em que ela passou sua infância, agora parecia um museu repleto de coisas antigas. Ali, com suas lembranças e na companhia de um gato, Clementina passava seus dias de velhice. Quando sua sobrinha ia lhe visitar, ela gostava de contar suas histórias. Na última visita de sua sobrinha, Clementina quis ver fotografias antigas. Cada fotografia tinha uma história e Clementina dizia: Essas fotografias parecem  de um tempo tão distante, algumas pessoas eu nem reconheço mais. Quem foram meus amigos, meus amores? Agora tudo se apagou. Eu só lembro das pessoas mais próximas. Talvez porque  elas realmente tenham sido  as mais importantes para mim. Eram elas: minha mãe, tio Joaquim, meu irmão Pedro e minha prima Joana. As outras pessoas eu mal consigo lembrar os nomes. Em pensar que eu amei tanto uma pessoa, mas não sei dizer quem é no meio de tantas fotografias velhas. A vida é mesmo estranha, vai apagando tudo, vai levando tudo embora. A vida é um campo de flores que vai murchando aos poucos.

lita duarte