ESTÓRIAS...

ESTÓRIAS...

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

NATURAL...


Quando ela nasceu o dia entristeceu. O sol era intenso, mas a dor de sua mãe era muito grande. A pobre senhora não se sentia capaz de ter uma criança para cuidar. Ela se achava muito velha, muito pobre e muito doente. Ela já tinha muitos filhos, não precisava de mais uma boca pra comer.

A criança nasceu e deu um pouco de trabalho para sua mãe, pois, era uma criança diferente, embora fosse bonita e inteligente, carregava consigo uma estranheza e um dom. Era uma criança que vivia sempre sozinha, não gostava de fazer muitos amigos. Era uma criança que pressentia coisas, era muito sensível. Por ser assim, era tida como esquisita.

A criança cresceu, frequentou escolas, trabalhou, mas esteve sempre distante das pessoas. Quem convivia com ela, sabia que ela era uma pessoa normal, mas quando ela dizia que havia sonhado com alguém e esse alguém tinha morrido, infelizmente isso se confirmava. Muitas vezes ela previa acontecimentos que eram bons ou ruins. Quando lhe perguntavam  como ela fazia aquilo, ela simplesmente dizia: Não sei! Tudo se passa com muita naturalidade para mim, apenas penso, apenas sinto. Não há nada de estranho. O que acho estranho é a confirmação dos fatos, gostaria muito que não fossem verdade, gostaria de errar algumas vezes, mas isso nunca acontece. Por isso, vivo afastada dos outros, basta olhar para alguém  e já "leio" a pessoa. Se isso é um dom... eu preferia não tê-lo.

Vou contar o que aconteceu a pouco tempo. - Eu estava pensando em uma pessoa muito querida e que não via há muitos anos. De repente o telefone tocou e era essa pessoa. Ela disse assim: Quanta saudade de você! Eu havia perdido o número do seu telefone, mas esteve aqui em minha casa na semana passada o seu primo. Ele me passou o seu número, então pensei em te ligar e acabei ligando.
São coisas assim. Fatos simples ou complicados como em certa vez em que eu estava passando por uma avenida movimentada e de repente senti que algo me dizia para eu pegar um outro caminho. Fiz isso. Minutos depois houve um tiroteio bem no local em que eu iria passar... fui livrada de um grande mal.

Não existe nada de místico ou mágico nisso tudo. É apenas algo natural que faz parte da vida.

lita duarte