ESTÓRIAS...

ESTÓRIAS...

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

VALEU A PENA

Gente! Pelo amor de Deus, por que é que as pessoas bebem tanto, se drogam tanto, fazem tantas coisas estranhas? Será que estão fugindo de si mesmas? - E na hora que alguma coisa dá errado, sim, porque no meio de tanta confusão sempre pode ocorrer algo ruim, tipo beber tanto e entrar em coma alcoólico. E aí? - Aí eu vou contar.

O Dino era um cara maneiro, boa gente na dele, mas foi só começar a conviver com uns caras que tinham hábitos diferentes do dele, que o Dino se transformou. Tem gente que diz que não se influencia com amizades, mas na maioria das vezes é exatamente o que acontece, a pessoa muda. O Dino mudou. Ele não bebia, começou a beber, e o seu comportamento ficou péssimo.

O Dino era filho de Joana, uma senhora viúva que morava com seus pais. Ela teve uma vida muito boa ao lado de seu marido Anselmo, mas quando ele adoeceu, o casal precisou desfazer de alguns bens para ele poder fazer o tratamento médico. Infelizmente ele faleceu quando Dino tinha doze anos de idade. Foi uma época difícil para Dino e sua mãe que tiveram que ir morar com os pais dela.

O tempo passou e Dino cresceu, apesar das dificuldades ele se tornou um bom rapaz, ia bem nos estudos, tinha planos de fazer uma boa faculdade e tocar sua vida numa boa. O único problema de Dino é que ele era muito calado, sua mãe achava que estava tudo bem, mas Dino sentia falta de se enturmar com outras pessoas. Certa vez, ele conheceu o Hélio. A partir desse dia a vida de Dino começou a mudar. O Hélio apresentou Dino para uns amigos. Nos finais de semana, Dino já não parava mais em casa, saia na sexta-feira ao anoitecer e só voltava no domingo de tarde. No princípio sua mãe gostou do envolvimento de Dino com aquelas pessoas, mas depois de um tempo ela passou a ter muitas preocupações, principalmente quando o Dino chegava bêbado e agressivo. Por duas vezes seguidas ela teve que ser muito enérgica com o Dino, chegando mesmo a deixá-lo do lado de fora da casa, porque o mesmo não se encontrava em condições de ficar no mesmo ambiente com ela.

Joana na condição de mãe tentou buscar ajuda para seu filho, mas esse era resistente, nessa altura ele já estava fazendo uso de drogas, já não queria estudar e dava muito trabalho para sua mãe. Nessa época surgiu uma mulher na vida de Dino, mas não aguentou ficar com ele, embora gostasse demais dele achou melhor não se envolver.

Depois de alguns meses de tratamento para tentar não usar mais drogas, Dino recebeu um convite para ir a uma festa, naquele dia sua mãe fez de tudo para ele não sair, mas não adiantou, alguma coisa falava mais alto dentro da cabeça de Dino, ele disse para sua mãe que iria só dar uma passada lá na festa e voltaria logo, mas não foi isso o que aconteceu. Lá na festa, Dino participou de uma brincadeira na qual o cara que bebesse mais ficaria com uma garota. Dino bebeu, bebeu e bebeu. Seu organismo não aguentou e ele teve um coma alcoólico, foi parar no hospital e quase morreu. Sua mãe quando chegou ao hospital para visitá-lo, chorou muito, mas jurou que logo que seu filho ficasse bom, ela o mandaria para uma clinica e ele só sairia de lá se estivesse livre dos vícios das drogas e do álcool. Foi uma época difícil, mas valeu a pena. Hoje o Dino está curado e se formou em psicologia, casou e cuida de sua mãe.

lita duarte