ESTÓRIAS...

ESTÓRIAS...

sábado, 7 de maio de 2011

COINCIDÊNCIAS! OU SERIA OS FUNGOS?

Alguns lugares ficam conhecidos por sua estranheza. Coincidências estranhas marcaram um certo imóvel em um lugar da cidade de São Paulo.

Corria o ano de 1988, quando começaram as histórias que ficariam ligadas por causa da morte que ocorreria na vida de algumas pessoas que habitaram o mesmo imóvel.

No andar térreo do edificio F. morava uma senhora idosa e seu filho de uns quarenta anos. Eles eram tranquilos e mantinham uma amizade normal entre a vizinhança. Naquela época os relacionamentos entre vizinhos eram mais próximos. Em um certo dia, a senhora idosa começou a passar mal, foi levada ao médico que receitou alguns rémedios, depois de examiná-la. Os dias foram passando e a senhora piorando. No prazo de dez dias e após ter sido hospitalizada, ela faleceu. A causa de sua morte foi pneumonia. Seu filho triste com o ocorrido mudou-se dali, e colocou o imóvel para ser alugado.

Aquele imóvel foi alugado bem rápido, era um local muito procurado. Um mês após o ocorrido, já havia novos moradores por lá. Era um casal recém casados. Ela era professora universitária e ele era arquiteto. Iriam morar ali, até que o apartamento que eles haviam comprado ficasse pronto. Pareciam felizes. Costumavam sair cedo para o trabalho. Faziam muitos planos para o futuro. Eram muito educados e atenciosos com os vizinhos. Certo dia, porém, o rapaz começou a passar mal com fortes dores de cabeça. Foi levado ao hospital por sua esposa e um casal de amigos-vizinhos. Passou pelo pronto-socrorro e ficou internado, seu caso era muito grave, ele estava com aneurisma cerebral. Infelizmente não teve jeito. Ele faleceu após sete dias de internação. Sua esposa muito triste e desgostosa com o fato, mudou-se dali.

O imóvel ficou fechado por uns seis meses. Passado esse tempo, foi alugado novamente para uma mulher e sua filha. Alice e Mariana, mãe e filha. A mãe era psicóloga e tinha trinta e cinco anos, a filha era uma criança de sete anos. Ambas eram muito comunicativas, fizeram amizade com os vizinhos, as crianças adorovam brincar com Mariana. Por ser filha única e de pais separados, ela era um pouco carente. Sua mãe costumava fazer uma festa no final de cada mê para animar a criançada do condomínio. Ela sempre inventava um motivo para festejar. Uma vez por mês o pai de Mariana passava o dia todo com ela, levava para passear. E foi num desses dias que aconteceu algo terrível. Ao trafegar por uma movimentada avenida de São Paulo, o carro em que pai e filha estavam, foi fechado por uma moto. O motoqueiro e o pai de Mariana, nada sofreram, Mariana, no entanto teve graves ferimentos. Foi levada para o hospital, infelizmente não resistiu aos ferimentos, pois teve graves infecções que não foram curadas.

Esses fatos ocorreram no espaço de quatro anos, e deixaram muitos moradores do condomínio preocupados e temerosos com tudo aquilo.

O dono do imóvel vendeu o mesmo, que ficou fechado por um ano e meio. Passado esse período, o imóvel foi reformado. Quando o imóvel estava sendo reformado, foi retirado de dentro dele uma forração de madeira que cobria uma parede que ficava próxima ao banheiro. O pedreiro que estava fazendo a reforma passou mal, e foi socorrido imediatamente. Ao chegar no hospital ele relatou o que havia acontecido, então o médico falou que aquela forração de madeira estava tomada de fungos, e foram os fungos os causadores do problema dele.

Uma coisa é certa, depois daquela reforma não houve mais aquele tipo de ocorrência.

lita duarte