ESTÓRIAS...

ESTÓRIAS...

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

JACÓ E JOSÉ



Hoje está fazendo dois anos que vi meu amigo Jacó pela última vez. Lembro que cheguei na casa dele em um sábado de janeiro. Jacó morava em uma casa com um belo jardim. Toquei a campainha, minutos depois, Jacó estava ali diante de mim. Fiquei feliz em revê-lo, então eu disse: Jacó meu amigo, como você está? Voltei! Estou aqui, quero conversar com você e dizer tudo o que aconteceu comigo. Esse tempo que estive fora, foi longo, mas estou de volta. Jacó, você não vai me convidar para entrar em sua casa? - Jacó olhou bem em meus olhos e disse: Quem é você? Porque meu amigo José está morto. Eu passei meses procurando por ele, mas ele não me dava sinal de vida. Um dia, depois de chorar muito, peguei todas as coisas que José havia me dado de presente, e também cartas e postais, peguei tudo e enterrei no jardim. Tudo que restou do José está enterrado no meu jardim. Fiz isso, para poder suportar a dor, pois era terrível não ter notícias dele. Mas agora ele está morto. E você quem é?
Fiquei ali, parado, e não tive coragem de dizer mais nada. Sai dali e fui embora pensativo. O que teria acontecido com Jacó? Será que ele ficou doente, será que ele realmente gostava muito de mim, e por causa do meu sumisso ele ficou assim transtornado. Não sei qual é a resposta, nem sei se existe alguma resposta. Só sei que tudo ficou muito estranho... e pra ele eu morri.

lita duarte