ESTÓRIAS...

ESTÓRIAS...

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

SE

Se dependesse do meu querer, teria seis anos de idade e viveria naquela casa grande com meus pais e irmãos e ainda estaria brincando lá no quintal em cima das árvores. E aos domingos iria pra casa do tio Eurípedes. Iríamos de trem e chegando por lá eu logo o veria vindo ao nosso encontro naquele enorme avental branco e abrindo os braços pra mim diria: seja bem-vinda minha pequena arteira. – Hoje teremos para o almoço: nhoque com frango e de sobremesa quindim. E assim o dia passaria. Depois do almoço iríamos ver o rio grande, sim aquele belo e grande rio que me dava uma imensa alegria. Ficaríamos ali até o anoitecer e depois voltaríamos para casa sem pensar no amanhã, apenas descansaríamos e no outro dia tudo seria uma nova alegria – sem pressa, sem desespero, sem tédio e sem fim.

lita duarte