ESTÓRIAS...

ESTÓRIAS...

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

O MANO Z.

O Z. era o cara! Ele era dos meus irmãos o mais bonito, loiro, sarado comunicativo e muito agitado.
O Z. morava em São Paulo, na casa de minha irmã mais velha que, nessa época já era casada.
Todas às vezes que o Z. ia nos visitar, era uma festa. Lembro de uma data especial. Foi o ano de 1967. O Z. avisou meus pais que iria levar sua noiva para que nós a conhecêssemos. Lembro que minha mãe ficou agitada com os preparativos para receber tão importante pessoa. A própria época era especial, pois era dezembro, o mês do meu querido Natal. Sempre gostei do Natal, sempre foi um dia de muita alegria para mim e meus familiares. Mas aquele ano foi muito especial, foi um ano de muitas mudanças.

Num certo dia de dezembro, eu fui junto com meus dois irmãos, J. e T. na estação de trens para esperarmos o Z. e sua noiva chegarem. Ah, era muito bom ficar ali, naquela estação vendo os trens que chegavam e os trens que partiam, eu adorava observar o movimento geral. Mas o trem em que o Z. e sua noiva chegariam, estava demorando demais. Os meus irmãos ficavam tentando me acalmar, mas eles sabiam que eu só iria ficar sossegada na hora em que visse o Z. na minha frente.

Finalmente o trem chegou. No meio da multidão surgiu o Z. e sua noiva. Foi muita emoção! Demos muitos abraços e beijos, ele nos apresentou sua linda noiva, depois seguimos para casa de mãos dadas. Ao chegarmos em casa, foi mais festa com meus pais e outros irmãos, beijos abraços,choro, risos... alegria.

Depois de algum tempo o Z. abriu a mala e distribuiu os presentes que ele havia levado para nós. Era tanta coisa que minha mãe falou: Filho, pra que tudo isso! O Z. abriu um sorriso enorme e disse: Amo vocês.

O Z. levou vários presentes para nós naquele Natal, dentre eles havia discos dos Beatles e Rolling Stones, bonecas, tecidos finos e outras coisas que nem me lembro mais. Mas o presente maior para a minha família era a presença do Z. ali, celebrando mais um dia de vida, mais um Natal de alegria.

lita duarte