ESTÓRIAS...

ESTÓRIAS...

sábado, 13 de novembro de 2010

O CIRCO

Quando o circo chegou à cidade naquele ano de 1967, foi um momento fora do comum. As crianças da minha rua ficaram cheias de curiosidades. Diziam que lá no circo havia umas pessoas muito estranhas. Havia um homem enorme com mais de dois metros de altura, e um homem muito pequenino; um anão. Diziam que a apresentação deles era muito especial.
O assunto de todo dia era o circo e seus personagens. Estávamos esperando pelo sábado para irmos ao circo. Mas parecia que o sábado nunca chegava. Durante a semana tivemos uma notícia de que talvez o circo não fosse estrear no sábado, porque o número do trapézio estaria sem dois de seus artistas principais. Ambos ainda não haviam chegado à cidade, diziam que eles estavam pelo caminho, e o veículo em que viajavam havia tido problemas na estrada. Aquela notícia deixou todo mundo agitado.

Quando chegou sexta-feira, nós ouvimos no rádio que o circo iria estrear no sábado, todos os artistas já haviam chegado. E o locutor que tinha um vozeirão fazia uma chamada bem animada para os ouvintes irem ao circo.

Finalmente o sábado chegou. E que sábado iluminado. Eu, meus irmãos e mais um grupo de amigos fomos ao circo. Foi uma tremenda agitação, um momento de felicidade. Aquele circo era muito especial, tinha palhaços engraçados, trapezistas que voavam e deixavam a gente de boca aberta. Mas o melhor de tudo era ver as pessoas felizes. Os adultos pareciam voltar à infância. Durante a semana seguinte o circo continuou sendo o assunto principal.

lita duarte