ESTÓRIAS...

ESTÓRIAS...

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

DITA, A VELHA


Não, eu não sei o que eu quero, acho que não quero nada. Ainda mais agora nessa hora que o tempo virou e o vento está soprando bem bravo. Será que vem chuva? É, vem sim e é daquelas furiosas querendo lavar o mundo a fundo e levar tudo embora.
Ah, lembrei de um sonho que veio no cochilo da tarde, na hora sagrada do meu descanso, também nessa minha idade, e agora que estou encardida de velha. Ah, o sonho era assim: Havia uma janela, parecia que eu podia ver o vento e ele me dizia: Acorda que a liberdade chegou. Agora você está livre daquilo que te consumia, finalmente o teu flagelo partiu e não volta nunca mais.
Acordei com o tal sonho me atormentando. Será que sonhei essa estranheza por causa do almoço. Acho que eu não devia ter comido feijoada. Já me disseram que tenho que me alimentar de coisas leves. Ficar velho é ruim, todo mundo quer meter o bedelho na vida da gente. Acho que vou tomar um banho pra espantar esse sonho.

lita duarte