ESTÓRIAS...

ESTÓRIAS...

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

O HOMEM

Todos os dias eu passava no bar Flor de Liz. Assim que eu saía do trabalho, ia caminhando até aquela grande avenida movimentada. Eu adorava entrar naquele bar e ficar sentado ali, no último banco do balcão. Era um lugar privilegiado, pois, eu podia ver todo o movimento da rua. O bar ficava no alto, e tinha um aspecto bom, parecia que eu estava num outro lugar. Eu pedia uma cerveja e ficava saboreando aos goles o gosto amargo daquela bebida. Às vezes, alguém aparecia e começava conversar comigo, mas na maioria das vezes eu queria ficar ali, só, sem pensar em nada e voando com meus pensamentos. Ah, de vez em quando, eu dava uma olhada para a moça do caixa. Nossa! Ela era linda! Eu ficava imaginando um jeito de chegar nela, dizer: Gata, você é demais!
Eu imaginava cada coisa, pensava em dar uns beijos nela, mas será que ela iria gostar de mim? No meu sonho ela gostava... Eu podia tudo com ela! Mas quando eu ia embora do bar e tinha que passar no caixa para pagar a minha conta; eu tremia na base. Só de a moça bonita me encarar, eu ficava sem jeito. Pagava minha conta e ia embora arrependido de não ter falado o que eu queria. Era sempre assim. E ao sair do bar eu sempre ouvia alguém dizer: Lá vai o homem esquisito.

lita duarte