ESTÓRIAS...

ESTÓRIAS...

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

FLORES, FRUTAS, FESTA E FINADOS

Quando eu era criança, o dia de finados parecia um dia de festa. Era uma movimentação pelas ruas da cidade, uma agitação! Eu sabia que muitas pessoas ficavam tristes, porque naquele dia em especial era um dia marcado para lembrar os que já haviam partido, mas para mim, tudo aquilo parecia momentos de muita vida.

No caminho do cemitério da cidade, havia muitas barracas de frutas, melancia em especial. Fazia um calor terrível na minha cidade, então no dia de finados se consumia muita melancia, abacaxi e laranja.

Eu adorava ver as barracas de flores, havia flores aos montes, aquilo era um espetáculo!
Minha vontade era de fazer um tapete de flores e me deitar nele.
Eu não gostava muito das coroas de flores de papel crepom. Elas eram feitas nas cores: rosa, azul e branca. Elas davam um aspecto frio, acho que aquelas cores não me agradava. Eu imaginava coroas nas cores: vermelha, roxa, laranja e amarela.
Eu falava para a minha mãe que, se eu soubesse fazer coroas de flores, eu faria em outras cores. Minha mãe respondia que não se podia fazer coroas de flores em lembranças aos mortos, em cores vibrantes, porque não ficava bem.

Dentro do cemitério havia uma multidão de pessoas. Era gente para todos os lados. Eu só podia achar que era um dia de festa!
Não me lembro de ver muita gente chorando, mas conversando normalmente umas com as outras.
Quando a gente é criança, tudo é tão descomplicado.

Eu nunca tive uma impressão ruim dos cemitérios. A morte para mim, também não é algo assustador, é apenas mais uma etapa da vida.


lita duarte