ESTÓRIAS...

ESTÓRIAS...

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

BELA

Andando pelas ruas, a mulher ia sentindo o cheiro da cidade. Tudo aquilo não era novidade para quem costumava andar quilômetros e quilômetros numa tentativa desesperada para não pensar.
Ela sentia o peso dos dias que se passaram. Agora, estava diante de sua realidade assustadora.
O convívio com sua própria aflição.
Morte! Não, a morte não lhe causava medo. O horror estava plantado no seu próprio ser. A incapacidade de viver. Sua vida agora era pesada demais.

Há alguns anos atrás, uma bela mulher admirada e querida por todos, ali naquela comunidade onde vivia, era alvo de elogios. Todos queriam ser seu amigo. Os homens queriam ter aquela criatura nos braços, e as mulheres queriam ser sua amiga.
Mas, o que havia de especial com aquela mulher alta, magra e morena. Havia muita tentação naqueles olhos negros, mas ela sabia usar de sua feminilidade, aquilo atraía todo mundo.
Ela não era rica, mas era de uma família que tinha certo patrimônio financeiro.

Um dia, Bela foi pedida em casamento por um homem muito rico. Ela aceitou. Afinal, dinheiro nunca é demais. Só que, Bela amava outro homem que infelizmente era pobre.
Mas o casamento da Bela com o homem rico, não foi impedimento para que ela e o pobretão vivessem um grande romance, daqueles cheios de lágrimas, dores e muito prazer e alegria.

Com o passar dos anos, Bela engravidou, nasceu um bebê muito bonito, menino, como o pai queria.
O menino foi crescendo, ele era muito diferente do pai, mas ninguém questionava nada, afinal, Bela sabia disfarçar o seu caso com o pobretão.

Quando o menino estava com sete anos, ele teve um problema de saúde muito sério, foram feitos muitos exames para verificar o que estava acontecendo com ele.
Nos exames constatou-se que o menino estava com Leucemia.
O mundo de Bela começou a desabar, ali naquele dia.





lita duarte