ESTÓRIAS...

ESTÓRIAS...

quarta-feira, 31 de março de 2010

O TRAVESSEIRO

A pequena Alice, certo dia subiu na cama de sua mãe e começou a pular. Depois, cansada deitou-se na cama e pôs a cabeça em cima de um travesseiro de penas de ganso. A mãe de Alice tinha muito cuidado com aquele travesseiro, pois ele era especial. Pois bem, Alice pegou o travesseiro e começou a jogá-lo para cima, depois bateu no travesseiro até que percebeu que de dentro dele saía num pequeno furo uma peninha. Isso foi o suficiente para que Alice tentasse abrir o travesseiro para ver o que havia lá dentro. E foi o que aconteceu. Alice abriu o travesseiro. Ela mexeu e remexeu nele que aconteceu das penas saírem por um buraco imenso que ela conseguiu fazer. Foi pena para todos os lados. Mas de repente dona Marina a mãe de Alice chegou ali no quarto e ficou olhando a proeza de sua filha. Quando Alice percebeu que sua mãe estava ali, ficou toda encabulada. Então, dona Marina falou para Alice que ela estava fazendo um estrago muito grande, que aquilo não podia ser feito. Alice disse para sua mãe que iria juntar tudo e pediria para Inês, sua tia costurar o travesseiro. Mas dona Marina disse assim para a menina: Alice, como nós vamos juntar todas as peninhas que voaram pela janela. Mesmo que você junte todas estas que ficaram no quarto e se nós colocarmos dentro do tecido, nunca mais será o mesmo travesseiro. Sabe por quê? Porque você espalhou penas para todos os lados que foram voando para outros lugares. Não dá para fazer o mesmo travesseiro, sempre ficará faltando àquelas peninhas que foram embora.


É assim mesmo, às vezes os estragos são reparados, mas sempre ficará faltando alguma coisa que se perdeu.

lita duarte